terça-feira, 1 de março de 2016

O QUE HÁ DE ESTRANHO EM MIM - GAYLE FORMAN

"Era uma viagem até o Grand Canyon, uma viagem que eu nem queria fazer. Eu deveria ter desconfiado, quando papai colocou apenas minhas malas no carro, dizendo que a monstra e o Billy irão de avião,mas eu estava cega. Como ele teve coragem de me largar nesse lugar..."
Todo jovem tem seus momentos de rebeldia, de certa forma " perder a mãe" esquizofrênica" , acho que esse é um bom termo, ter uma madrasta cruel , que te odeia, e um novo irmãozinho,  tudo em menos de um ano, acho que isso realmente mexe com a cabeça de uma pessoa, independente da idade. Mas em um adolescente, isso faz com que sua cabeça pire.
 Brit, uma menina que pinta os cabelos, tem apenas duas tatuagens, toca guitarra numa banda, passa por tudo isso e muito mais, mas ela jamais esperava que seu pai a mandasse para Red Rock, por ela estar sendo rude, estúpida, estar agressiva, intolerante quando o assunto é falar sobre sua mãe e por chegar tarde toda noite. Segundo ele talvez ela precisasse ser "concertada", mas Brit acredita que ele tenha medo de que ela enlouqueça como sua mãe.
Na Red Rock, uma escola/ reformatório, tudo é totalmente estranho e os tratamento são completamente fraudulentos, um lugar que usa agredir verbalmente outras internas e que sempre as querem vê-las chorando, onde quem dedura sobre de nível e expostas a trabalhos forçados, é um lugar terrível, mas o pai de Brit assim como outros nem imaginam o que se passa dentro da escola.
Logo que Brit chega vira alvo de xingamentos nas sessões em grupo, todas as  meninas xingando ela, para tentar fazê-la choras, " mas não darei esse gostinho a Dr. Clayton e ao Xerife". Com o tempo a Red Rock, ela se junta com V, Bebe, Martha, e Classie. e elas se tornam oásis uma das outras.

Eu realmente me identifiquei extremamente com o livro, não pela parte da madrasta e tal, mas pela parte de ser chamada de rebelde pelo cabelo e tatuagem, dizerem que isso é fase e que estou sendo rebelde sem causa, isso de fato é perturbador, e ser um adolescente irritado, velho TODO ADOLESCENTE TEM MOMENTOS DE RAIVA, isso é completamente, mas como sempre os adultos/ pais acham isso totalmente anormal, como se eles nunca tivessem sido adolescentes. Eu de fato sou uma pessoal complicada até hoje, então sei como é. ahahhaha

Eu realmente gostei do livro, por mostrar bastante o lado da incompreensão e de as vezes os pais tentando ajudar, acabam proporcionando uma situação pior ainda e piorando as coisas. O livro é pequeno e tem capítulos curtos, o que torna o livro uma leitura rápida e ele também tem uma escrita be fácil de compreender, então super recomendo.

Vou deixar a sinopse pra vocês, afinal minha resenha teve mais minha visão sobre o livro....

Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acreita que está ajudando a menina, mas na verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso médoto de  terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade.
Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fca sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na  resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie, se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão.
Juntas as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não  têm nada de desajustadas e dar um fim ao suplício de viver  numa instituição que as enlouquece.

Bom meus loves, espero que gostem e se inspirem para ler. <3

Nenhum comentário:

Postar um comentário